Sede do Ministério Público de Contas de Roraima. Foto: Reprodução

A Diretoria Financeira do Ministério Público de Contas (MPC) de Roraima é investigada por suspeita de depósito indevido de R$ 35.986,98 à servidora da instituição. O caso foi denunciado pelo próprio MPC, em memorando enviado ainda no mês de junho. A reportagem do Roraima 1 teve acesso à documentação nesta quinta-feira (11).

No documento, assinado pelo até então diretor geral do MPC, Bruno César Cavalcanti Guedes, ao procurador-geral Diogo Novaes Fortes, consta que a ordem bancária seria destinada ao Tribunal de Contas, mas foi depositada na conta pessoal da gerente de contabilidade.

A servidora citada no memorando é responsável pelo cadastro dos credores no sistema do Banco do Brasil e por trâmites de pagamento, o que inclui o acesso à conta bancária do MP de Contas. O montante foi transferido em 3 de maio desse ano.

O memorando cita que em levantamento junto ao Banco do Brasil foi mostrado que além do valor de quase R$ 36 mil, havia na conta pessoal da servidora outras transferências que, juntas, somavam R$ 241.965,62. Um valor acima da remuneração da funcionária.

Medidas
À reportagem, a assessoria de comunicação do MP de Contas informou, por telefone, que todas as providências já foram tomadas. “O procurador-geral Diogo Novaes Fortes tomou todas as providências cabíveis, assim que soube da situação da servidora. A servidora foi demitida e o diretor-geral também”, contou a assessoria.

Ainda segundo as informações, todo o dinheiro desviado foi devolvido ao MPC e o caso denunciado na corregedoria da instituição e no Ministério Público Estadual.

Comentários no Facebook