Foto: ONU

No próximo dia 25/07 comemora-se o Dia da Mulher Afro-latino-americana e Caribenha. A data foi criada em 1992, em Santo Domingo, na República Dominicana, com a realização do 1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas. No Brasil o dia 25 também é o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, conforme a Lei n°. 12.987/2014. Tereza de Benguela foi uma líder quilombola que se tornou rainha do Quilombo após a morte de seu companheiro durante o século 18. Sob sua liderança, as comunidades negra e indígena resistiram à escravidão por duas décadas.

Representatividade

A população negra corresponde a 53,92% do povo brasileiro, sendo que a cada 10 pessoas, 3 são mulheres negras. Entretanto, o preconceito e as discriminações persistem e as mulheres seguem sub-representadas na política. Seguem no trabalho de menor valor e mais precarizado (trabalho doméstico ou outras ocupações informais).

Violência

O Brasil é o 5º país que mais mata mulheres no mundo; são 13 mulheres assassinadas por dia no País. De acordo com o Mapa da Violência (2015), entre 2003 e 2013, aumentou em 54,2% o assassinato de mulheres negras, enquanto houve diminuição de 9,8% para as mulheres brancas.

As mulheres negras são também as mais atingidas pela violência obstétrica (65,4%) e pela mortalidade materna (53,6%), de acordo com dados do Ministério da Saúde e da Fiocruz.

Programação

• 11/07 (quinta-feira), às 19 horas – Abertura do Julho das Prestas com Cine + Roda e Debate, seguido de apresentações culturais negras – Praça Cidade Satélite;

• 18/07 (quinta-feira), às 18h30min – Roda de conversa sobre: Religiões de matrizes Africanas e os impactos da intolerância na vida das mulheres negras, e encerramento ao som dos tambores no Templo de Umbanda Ogum Yara – Rua Thereza Magalhães Brasil, 220 | Senador Hélio Campos;

• 25/07 (quinta-feira), às 18h30min – Sarau + Feira Preta (apresentações culturais diversas, oficinas, danças, artesanatos) – Praça Germano Sampaio;

• 27/07 (sábado), às 17 horas – Cine + roda e debate, na Casa de Capoeira Parque Anauá.

Comentários no Facebook