Mulher conta que gaze foi deixada na mama direita por negligência médica. Foto: Arquivo pessoal

Uma jovem de 28 anos procurou a reportagem do Roraima 1 nesta segunda-feira (2) para denunciar um caso de negligência médica na Maternidade Nossa Senhora de Nazaré, em Boa Vista. Ela conta que uma gaze foi deixada em sua mama durante procedimento.

A paciente conta que procurou a unidade de saúde no sábado (30) com fortes dores na mama direita por causa do empedramento do leite materno. Ao chegar na Maternidade, a jovem diz que foi internada para drenagem no seio, o que não ocorreu.

“Furaram meu seio e ao invés de fazerem a drenagem o médico deixou uma gaze dentro, sendo que uma parte ficou dentro e um pedaço do lado de fora”, contou a paciente.

Ela disse que foi informada que não tinha equipamento para fazer a drenagem e que ela mesma deveria retirar a gaze, geralmente utilizada para fazer limpeza de curativos. “Eu podia ter tido uma infecção”, reclamou a paciente, que tem um bebê de 1 ano.

Sesau

A direção geral do HMINSN (Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth) esclarece que foram adotados todos os procedimentos necessários para o atendimento da paciente de 28 anos, e que não procedem as informações de suposta negligência contra a mesma.

Desde a sua internação, a paciente tem sido acompanhada por toda a equipe de saúde, composta por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e todos os envolvidos na assistência em saúde. Essa equipe tem feito o acompanhamento da paciente, e todos os cuidados necessários têm sido executados de acordo com o quadro clínico da paciente e suas necessidades.

O quadro clínico em questão é uma patologia benigna da mama, que requer drenagem de seu conteúdo purulento e a conduta adotada tem respaldo em evidências científicas e foi realizada com sucesso.

Vale lembrar também que a equipe teve conhecimento das queixas de dores em decorrência do processo inflamatório feito pela paciente, e imediatamente foi instituído o tratamento ideal para minimizar as dores na região do local onde o procedimento cirúrgico foi realizado. Em nenhum momento os profissionais se portaram de forma omissa perante aos relatos feitos pela mesma.

O HMINSN informa ainda que atualmente o estado de saúde da paciente é considerado estável e que um tratamento adequado está sendo realizado normalmente, seguindo o que é preconizado pelo MS (Ministério da Saúde) e pela SBGO (Sociedade Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia).

ReportagemRedação

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here