Foto: divulgação PF

A Polícia Federal prendeu, nesta sexta-feira (6), dois servidores públicos de Roraima suspeitos de envolvimento em um esquema de contrabando de ouro da Venezuela e de garimpos ilegais do estado. Além disso, foi realizada busca e apreensão na casa de um procurador do estado.

Ao todo, foram cumpridos 18 mandados de prisão preventiva e quatro de prisão temporária. Suspeita-se que o grupo tenha movimentado ao menos 1,2 tonelada de ouro entre os anos de 2017 e 2019. Em cotação atual, o montante representa mais de R$ 230 milhões de reais.

Os indícios constantes Inquérito Policial apontam que o grupo criminoso seria composto por venezuelanos e brasileiros que, residindo em Roraima, comprariam ilegalmente ouro extraído de garimpos da Venezuela e de garimpos clandestinos do estado.

Com o auxílio de alguns servidores públicos que integrariam a organização criminosa e receberiam propinas, tentariam dar um aspecto de legalidade ao metal por meio da emissão de documentos falsos por empresas de fachada.

O ouro, então, seria comercializado para uma empresa especializada na recuperação de minérios, localizada no interior de São Paulo. Mesmo com os latentes indícios de irregularidades acerca da origem do minério, a empresa o receberia e venderia para o exterior.

Dos mandados de prisão preventiva:
Marcelo Camacho Pinto
Marco Antônio Flores Moreno
Yonara Carla Pinho de Melo – servidora comissionada na Procuradoria do Estado de Roraima
Paulo Cézar Pereira Camilo – analista da Receita Federal de Pacaraima
Regina Edna Ramos Geraldo
Altieres Rodrigues de Sousa Júnior
Ruy da Silva Mariz
Jackson Wanderley da Silva
Mário Sérgio Gonzaga Medeiros
Juan José Pantoja Pantoja
Pedro Jesus Escalona Escobar
Luis Miguel Escalona Pantoja
Joel Antonio Munoz Mejias
Valdemir de Melo Junior
Hernandes Jesus Santos Silva
Cleber Felisberto de Aguiar
Roberto Antonio Espejo Camacho
Nelson Jose Millan Diaz

Dos mandados de prisão temporária:
Antonio Ramon Dias Rodrigues
Felippe Eric Maia Sousa
Libia Patricia Cristancho Troconis
Paulo José Assis de Souza

ReportagemRedação

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here