Paciente estava no HGR desde sábado (28) Foto: Divulgação/Ascom/Sesau

Uma advogada, de 30 anos, afirmou ao Roraima 1 na noite desta quinta-feira (19) que, ao procurar o Hospital Geral (HGR) com febre, tosse e coriza, não foi submetida a exames,  mesmo tendo voltado de uma viagem a São Paulo, estado que já registra transmissão comunitária de covid-19, doença causada pelo coronavírus. Segundo ela, a orientação era de que fosse para casa, onde deveria se manter em isolamento por sete dias.

A transmissão comunitária ocorre quando os órgãos de saúde e o paciente não conseguem identificar onde aconteceu o contágio. A advogada conta que ficou em São Paulo de 9 de março até sexta-feira (13) passada. No dia seguinte, teve os sintomas, mas diz tê-los tratado como uma gripe comum.

“No domingo [15], amanheci super bem e fiz as minhas atividades normais. Na segunda-feira [16], amanheci com febre e resolvi procurar o HGR”, relata. “Lá, me informaram que os exames só seriam feitos em pessoas que tivessem retornado de países ‘nos grupos de risco’ ou que entraram em contato com alguém que testou positivo para a doença”, acrescentou.

Ela disse ter explicado que São Paulo já apresenta casos de transmissão comunitária, mas, mesmo assim, não foi examinada. “Saí indignada de lá [do HGR]”, reclama.

No fim da tarde desta quinta-feira, ela conta ter recebido um telefonema da Vigilância Sanitária. “Ligaram pra mim pela segunda vez e informaram que viriam avaliar a minha situação amanhã [sexta, 20] pela manhã. E, caso achassem necessário, iriam realizar o exame. Mas até o presente momento, não o fiz”, destaca.

Apesar de se sentir melhor e ter sido medicada, a advogada ainda espera que os testes sejam feitos, pois tem apresentado febre noturna. “Desde segunda-feira, estou isolada em casa. Não saí para lugar nenhum. É uma situação muito complicada”, lamenta.

Questionada sobre um possível contato com alguém infectado pela covid-19 enquanto esteve em São Paulo, ela afirma que isso é algo “difícil de mensurar”.  “Estive em vários centros, com várias pessoas aglomeradas. É muito subjetivo eu afirmar que não tive [contato]”, concluiu.

A advogada informou à reportagem que não tem filhos e mora sozinha com o marido, que não apresentou nenhum sintoma até o momento.

Outro lado

A reportagem entrou em contato com a Sesau, que não se pronunciou sobre o caso. Alguns dos questionamentos feitos pelo Roraima 1 são se a pasta pretende tomar alguma providência em relação ao que foi denunciado e se isolamento em casa por sete dias e exame posterior fazem parte do protocolo adotado para todos aqueles que retornarem de estados em que já há transmissão comunitária.

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here