Proposta é para evitar que estado fique sem repasses da União - Foto: divulgação

No último ano, Roraima não fez uma reforma da Previdência estadual nem ajustou a alíquota de contribuição previdenciária de seus funcionários para ao menos 14% do salário. Por conta disso, pode ficar sem repasses voluntários da União.

O valor total desses repasses em 12 meses até abril foi R$ 13,2 bilhões. Portaria feita depois da reforma da Previdência federal determinou que Estados e municípios têm até 31 de julho para, pelo menos, atualizar a alíquota. Não atualizou, fica sem o repasse.

Além de Roraima, Minas Gerais, Distrito Federal, Rio Grande do Norte, Rondônia, Tocantins e Amapá ainda não fizeram alteração das alíquotas. Reúnem 21% do total do funcionalismo entre os estados.

Há 13 Estados que reduziram benefícios dos funcionários. Empregam 55% dos servidores das 27 unidades da Federação. Para os federais, a mudança veio com a Emenda 103. O texto original da proposta que resultou na Emenda estabelecia mudança automática para os servidores públicos dos Estados, mas isso foi retirado pelo Congresso.

Outros sete elevaram a alíquota de contribuição para pelo menos 14% do salário, sem fazer reforma. Empregam 24% dos servidores. Não correm o risco de ficar sem repasses. Se todos replicassem a União, o gasto cairia R$ 300 bilhões em 10 anos.

Entre os municípios, só 168 municípios fizeram reformas, dos 2.096 que têm regimes próprios, o equivalente a 8% do total. Boa Vista, por exemplo, está fora da lista

Segundo o ex-diretor de Regimes Próprios da Previdência Otoni Gonçalves Guimarães, os Estados e municípios que não se enquadrarem às regras poderão ter punições adicionais pelos tribunais de contas ao deixar de elevar as alíquotas previdenciárias a pelo menos 14%. “De acordo com a LRF [Lei de Responsabilidade Fiscal] não se pode abrir mão de receita”, afirmou ele, que ocupou o cargo de 2003 a 2016 e hoje é consultor na área de Previdência da FIA (Fundação Instituto de Administração).

Em nota, o Iper (Instituto de Previdência do Estado de Roraima) informa que já instaurou processo para a elaboração do referido projeto.

“A minuta está sendo concluída e a medida proposta pelo Governo Federal será tomada dentro do prazo, sem quaisquer prejuízos ao Estado, que não deixará de receber repasses voluntários da União”, esclarece.

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here