Foto: APIB

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) retorna hoje (21) ao Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) para denunciar as violências cometidas pelo governo de Jair Bolsonaro contra os povos indígenas. O secretário executivo do Cimi, Antônio Eduardo de Oliveira, vai relatar situações que exigem atenção do Conselho.

Com apoio do governo Bolsonaro, garimpeiros e desmatadores têm invadido territórios indígenas, levando destruição, contaminação por mercúrio, violência, doença, fome e morte. Além disso, o presidente trabalha pessoalmente pela aceleração da aprovação de projetos que autorizam a mineração em terras indígenas. As políticas bolsonaristas incluem o abandono da saúde indígena, com falta de médicos, medicamentos e vacinas, e a paralisação das demarcações de territórios – que já constava de seu plano de governo.

A Alta Comissária da ONU para o tema, Michelle Bachelet, irá participar do evento, que ocorre no âmbito da 49ª sessão do Conselho de Direitos Humanos (CDH 49), iniciado em 28 de fevereiro e que se estende até 1º de abril, em formato híbrido. Será a quinta vez que lideranças indígenas e organizações indigenistas serão ouvidas neste período sobre as políticas que põem em risco a vida e os territórios dos povos originários.

Na última quarta-feira, o ministro da Justiça, Anderson Torres, concedeu a medalha do Mérito Indigenista ao presidente Jair Bolsonaro e a mais dez ministros. A condecoração, concedida a pessoas que se destacam pelos trabalhos de proteção e promoção dos povos indígenas brasileiros, causou indignação.

Em protesto, o ex-presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), o sertanista Sidney Possuelo, decidiu devolver sua medalha, recebida há 35 anos atrás. “Uma flagrante, descomunal, ostensiva contradição em relação a tudo que vivi e a todas as convicções cultivadas por homens da estatura dos Irmãos Villas Boas”, escreveu Possuelo em carta dirigida ao ministro da Justiça, Anderson Torres.

Em 2021, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) divulgou o Dossiê Internacional de Denúncias, demonstrando como o discurso de ódio do presidente foi transformado em política de Estado. As ações e omissões do governo resultaram em mais violência e conflitos nos territórios indígenas.

1 comentário

  1. – Efetivamente o atual governo brasileiro cometeu uma grande violência, não contra os indígenas, mas contra a instituição denunciante. Foi ordenado o fechamento da torneira por onde escoavam polpudos recursos do quais se locupletava a ONG em tela. Daí a revolta desta e de outras instituições de atividade similar. Esses religiosos deveriam criar vergonha na cara e deixar de ser canalhas, pois o seu lema de “faça o que digo e não o que faço” já não engabela ninguém.

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here