Denarium alegou estado de calamidade. Foto: Arquivo/Roraima 1

Funcionários da empresa terceirizada Limponge, que presta serviços à Educação, voltam a cobrar do governo estadual salários atrasados. Nesta segunda-feira (9), um mês após procurar a reportagem do Roraima 1, eles reafirmam que o último pagamento foi feito em abril.

“Eu trabalho na empresa há seis meses e, nesse período, só recebi duas vezes. Estamos há quatro meses sem pagamento e cada mê que passa é uma promessa diferente”, afirmou um funcionário de serviços gerais, que pediu para não ter o nome divulgado.

Ainda segundo o funcionário, mesmo sem pagamento, a ordem é de ir trabalhar. “Se alguém faltar o trabalho vai ficar sem emprego. Sendo que nem vale transporte temos”, declarou.

Em um grupo de mensagens que reúne servidores da terceirizada, alguns alegam que já tiveram as contas de água e luz cortadas, devido a falta de pagamento. “Há uma promessa de sair no próximo dia 15 [setembro], mas será em um domingo, o que não acreditamos”, relatou um outro servidor.

A reportagem solicitou um posicionamento do governo do estado e aguarda resposta.

Comentários no Facebook