Estado perdeu 1,3 mil vagas desde início de pandemia - Foto: Divulgação

Roraima registrou a quarta maior taxa de desocupação entre os estados brasileiros no primeiro trimestre de 2020. A informação é da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) nesta sexta-feira (15). Cerca de 16,5% da população do estado, ou 101,8 mil pessoas, procuram emprego.

No levantamento, Roraima só ficou atrás dos estados da Bahia (18,7%), Amapá (17,2%) e Alagoas (16,5%). Já as menores foram registradas em Santa Catarina (5,7%), Mato Grosso do Sul (7,6%) e Paraná (7,9%).

Em Roraima, a taxa deste ano é 1,5% maior que a do mesmo trimestre de 2019. Em todo o país, 12 estados registraram aumento. A taxa de desocupação do Brasil ficou em 12,2%.

Também foi um dos maiores do país o percentual de roraimenses desalentados, aquelas pessoas que não estão trabalhando e que acabam desistindo de procurar uma vaga por acreditar que não vão encontrar emprego.

Com 14% de desalentados, o estado fica atrás apenas do Maranhão (17,8%) e de Alagoas (15,5%). Os menores foram índices foram registrados em Santa Catarina (0,8%) e Rio de Janeiro (1,2%). No Brasil, o número de desalentados foi de 4,8 milhões de pessoas de 14 anos ou mais.

No setor privado, a taxa de empregados (pessoas com carteira de trabalho assinada) em Roraima ficou em 61,7% no primeiro semestre deste ano. Enquanto a informalidade atinge 49,2% da população do estado com 14 anos ou mais.

A Pnad Contínua também analisou a população ocupada no país trabalhando por conta própria. No Brasil, a taxa era de 26,2%. Roraima registrou queda com variação de 7,4%.

O IBGE também analisou o tempo de procura por emprego no Brasil, no primeiro trimestre de 2020, e divulgou os índices nacionais. Segundo a pesquisa, 45,5% dos desocupados no país estavam de um mês a menos de um ano em busca de trabalho; 23,9%, há dois anos ou mais, 12,6%, de um ano a menos de dois anos e 18%, há menos de um mês.

No Brasil, 3,1 milhões de pessoas procuram trabalho há 2 anos ou mais; essa estimativa representa queda de 7,4% em relação ao primeiro trimestre de 2019.

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here