Taxa de homicídios quase dobrou se comparada ao mesmo período do ano passado - Foto: Divulgação

Um estudo feito pelo Instituto AzMina e divulgado na semana passada apontou que a taxa de feminicídio cresceu em Roraima durante a pandemia de coronavírus e está acima da média nacional.

O levantamento “Um vírus e duas guerras” sobre a violência doméstica durante a pandemia da Covid-19 é resultado de uma parceria do instituto AzMina com mídias independentes. Os estados que fazem parte da amostra concentram 94% da população feminina do País.

De acordo com o estado, Roraima foi o 8º estado entre os 20 que enviaram dados em que, proporcionalmente, mais mulheres foram assassinadas desde o início da pandemia. A taxa de feminicídios entre março e agosto foi de 0,74 a cada 100 mil mulheres, maior do que a média total, de 0,56 por 100 mil mulheres.

Quando a taxa é comparada com o mesmo período do ano passado, o crescimento fica evidente. Entre março e agosto de 2019, a taxa de feminicídios chegou a 0,38 a cada 100 mil habitante, um pouco mais da metade do registrado no mesmo período este ano.

Os dados apontam ainda que nos primeiros seis meses, desde o início da pandemia da Covid-19, em março, três mulheres foram mortas a cada dia no Brasil, em crimes motivados pela condição de gênero, que caracteriza feminicídio.

São Paulo (79), Minas Gerais (64) e Bahia (49) foram os estados que registraram maior número absoluto de casos no período. No total, os estados que fazem parte do levantamento registraram redução de 6% no número de casos em comparação com o mesmo período do ano passado.

“Isoladas dentro de suas casas, as mulheres continuam ou estão ainda mais expostas à violência. Apesar dos dados oficiais indicarem queda no número de casos, muitos especialistas alertam para a subnotificação, que, estima-se, seja ainda maior em meio à pandemia, pela dificuldade de comunicação. Além disto, em alguns casos é difícil obter os dados de órgãos oficiais”, comenta Helena Bertho, diretora do Instituto AzMina. Dos 26 estados, sete não responderam ao pedido de informação.

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here